Retrospectiva 2011 (2): o que andei lendo na blogolândia

Como no caso da escrita, e pelos mesmos motivos, 2011 foi um ano de leituras poucas e indisciplinadas na blogolândia.

Eu uso o Netvibes como leitor de RSS, e ali estão os blogs que eu mais li. Fora os que leio pelo feed, há mais alguns que leio direto na página, seja porque o feed não funciona (só tem o título e umas palavras iniciais), seja porque a quantidade de conteúdo é grande demais para meu ritmo de leitura, e prefiro acompanhar pela capa do portal os assuntos que me interessam.

Neste último caso está o Amálgama, um portal que vocês todos deviam ler sempre. Coisa finíssima, e provavelmente o melhore espaço de reflexão, análise política e crítica cultural na internet brasileira. Agora com um novo visual muito mais limpo e fluente. O mesmo caso para O Pensador Selvagem, portal no qual acompanho com mais interesse a coluna Demografia. Mantida pelo Prof. Dr. José Eustáquio Diniz Alves, é a única com regularidade no portal, e tenho certeza que é o melhor espaço de informação fudamentada sobre assuntos ligados a população, fecundidade, impacto econômico e ambiental do crescimento populacional, qualidade de vida e quetais.

Entre os que leio pelo Netvibes, os blogs que mais acompanhei em 2011 foram O descurvo, João Villaverde, Todos os fogos o fogo e o Catatau, todos para reflexão política e análise conjuntural em altíssimo nível. Com o mesmo objetivo, mas focado nas questões urbanísiticas, o Blog da Raquel Rolnik. Acrescentando pitadas de literatura, a coluna do Idelber Avelar na Fórum. No OPS, com os mesmos objetivos, acrescentando pitadas de crônicas do cotidiano e às vezes um pouco de ficção, Incautos do ontem e Ágora com dazibao no meio. Também no OPS, continuei órfão, esperando os textos que nunca chegam no Dispersões, delírios e divagações, no Para ler sem olhar e no A terceira margem do Sena – tudo que o Fabiano Camilo, o Diego Viana e o Leonardo Cruz Souza escrevem é do melhor, mas ultimamente eles quase não escrevem.

Crônica do cotidiano com reflexão teológico existencial eu busquei n’A trilha e n’A bacia das almas. Para não ficar tão por fora de questões de economia, li sempre as colunas do José Paulo Kupfer e do Celso Ming – até porque eles tem visões complementares e na maioria das vezes opostas das principais questões. Futebol eu acompanhei pela crônica esportiva do Impedimento e do Carta na manga, ambos com grande visão de jogo e capacidade analítica, mas focados principalmente nos clubes gaúchos e no futebol sul-americano. Com a mesma qualidade, mais uma profundidade de reportagem e o foco nos clubes paranaenses, o Bola no corpo. Para reportagens e fofocas sobre os clubes paranaenses, a Nadja Mauad é a principal fonte.

Sobre cinema, o Central de Cinema, do Paulo Camargo, além, claro, da seção de cinema do Amálgama. Sobre música, acompanho, ainda precariamente o Movimento.com, o Clube de Jazz e o João Luiz Sampaio.

De 2012 espero que seja um ano de mudança nos hábitos de leitura na internet. Preciso achar blogs novos sobre religião, acompanhar com mais cuidado os de música (ainda preciso achar outros mais sobre o tema), achar alguns de literatura. O núcleo duro da blogolândia brasílica, que se articulou nos anos dourados em torno do Hermenauta, Pedro Doria, Biscoito Fino e a Massa e NPTO são coisa de um passado que não volta. Seguir adiante encontrando novas fontes de informação confiável, gratuita e de alto nível segue sendo um desafio.

Este ano deverei comprar um Kindle, e assinar um jornal brasileiro para ler neste dispositivo. Gostaria que fosse a Gazeta do Povo, mas por enquanto eles só estão pensando nos usuários de tablet.

Veja a série completa:

Retrospectiva 2011 (1): o que andei escrevendo na blogolândia

Retrospectiva 2011 (2): o que andei lendo na blogolândia

Retrospectiva 2011 (3): estatísticas neste blog

Author: andreegg

Músico, historiador, professor.

3 Comments

  1. Olá André!

    Obrigado pelo feedback. Ter leitores como você e retornos como esse é um grande incentivo para continuar.

    Abração e feliz ano novo,

  2. muito legal a proposta do História Cultural. Começarei a acompanhar por lá. e começar também a andar n’A Trilha.
    e como dizia John Cage, happy new “ears” (para todos nós)!
    sucesso e paz no novo ano.

  3. Grato pela leitura, a interação é recíproca.

    Um grande ano para nós todos

    Abraços
    Hugo