Eu decidi votar em Dilma Roussef, e explico por quê:

Quando os rumos das eleições 2010 foram se desenhando, eu tracei uma estratégia particular. Como intelectual de centro-esquerda e professor universitário, ia adotar uma postura independente, fazer análises políticas neste blog, não decidir nem declarar voto em nenhum candidato antes do dia da eleição.

Afinal, como escrevi na coluna pro Amálgama, os quatro principais candidatos a presidente estão dentro do espectro político no qual considero possível eu votar. Causou alguma reação o fato de eu considerar o Serra um candidato de esquerda. E sustento, o Serra é um candidato de esquerda – sua trajetória política é de esquerda.

Só que, como em 2002, ele escolheu ser o candidato da direita (sei lá se isso foi uma escolha que se apresentou a ele – pressupõe que ele tivesse outra opção, o que talvez não seja o caso, dada sua trajetória política na era Lula). Li isso no NPTO mas não acho mais o link: “a direita não tem candidato que preste, então fica roubando nossos sociólogos e economistas heterodoxos” – se não foi isso foi parecido.

É o que está acontecendo mesmo. Durante o governo FHC o Serra passou o tempo todo tentando ser o cara que levaria o governo mais pra esquerda (Estado indutor do desenvolvimento), e quando estava incomodando como Ministro do Planejamento o FHC mandou ele de volta pro Senado e quando estava incomodando no Senado o FHC deu um serviço pra ele ficar quieto como Ministro da Saúde. Quando ele foi escolhido como candidato a sucessão de FHC estava numa fria: a popularidade do presidente estava uma merda, com desemprego em alta e inflação descontrolada (para padrões civilizados – nem tanto para os padrões brasileiros de então), FHC não queria muito que ele ganhasse (acho que preferia apostar que o Lula no poder seria uma merda e ele FHC voltaria em 2006), e a aliança que tinha sustentado o governo (PSDB-PFL) tinha ido pro vinagre. Além de tudo, Serra tinha que tentar parecer o anti-FHC de esquerda, numa eleição que tinha quatro grandes concorrentes na mesma função (além do Serra, o Lula, que era muito mais autêntico no papel, o Ciro Gomes e o Garotinho). Pesou a maior competência político-eleitoral do PT, pela primeira vez jogando pra valer e em condições de ganhar.

Por essas e outras o Serra foi ficando cada vez mais à direita. Ganhou em 2004 a prefeitura de São Paulo derrotando a petista Marta Suplicy (bem melhor prefeita) com um vice do PFL (ou já tinha virado DEM, sei lá). Ganhou em 2006 o governo do Estado, mantendo boa parte do time de Alckmin, que fazia do PSDB paulista um arremedo do que tinha sido nos tempos de Covas. Pode-se dizer que tudo que o Serra fez depois de 2002 foi calculado para ganhar a presidência (inclusive não concorrer ao cargo em 2006). Quando ele cogitou desistir do projeto e ser candidato à reeleição ao governo de São Paulo em 2010, o Aécio foi mais esperto (como bom político mineiro) e desistiu da candidatura presidencial primeiro.

Soprou pro Serra ser o candidato da Folha de São Paulo e da Veja. Aliás, ele quase não se deu ao trabalho de fazer campanha.

Até aí tudo normal. A última esperança que eu tive de um Serra que assumisse o figurino do desenvolvimentista que ia embicar o Estado brasileiro para o aumento do investimento público e da poupança, além da melhoria do nível educacional, foi na entrevista dele para a CBN. Mas havia questões negativas que pesavam bastante. Para mim as principais eram: (1) se ele não conseguiu fazer nada como governador de São Paulo numa conjuntura tão favorável, porque seria um bom presidente? e (2) redução dos gastos com custeio para aumentar investimentos, na visão pessedebista significa sempre arrochar os funcionários públicos, imaginando que investimento se faz apenas em construções, nunca em pessoal capacitado.

Excluído o Serra, sobravam três. O Plínio de Arruda Sampaio poderia ser um cara que me representasse muito bem como eleitor. Afinal, estou à esquerda do governo Lula em quase todos os assuntos. Espero que o próximo governo avance muito mais em questões que o governo Lula desdenhou para não se indispor com grupos políticos poderosos. (A melhor análise que já vi do lulismo de resultados está no artigo de hoje do André Singer na FSP). Mas como deixou claro no primeiro debate dos presidenciáveis (escrevi um comentário no Amálgama) – o PSOL não tem como se apresentar como opção política real (fato reforçado pelas fraquíssimas candidaturas que o partido conseguiu construir nos estados). Nem ao menos está tentando se viabilizar como oposição de esquerda. Vai ficando mais pra um PSTU que só quer mesmo usar tempo de TV para discutir teses filosóficas sobre o fim do capitalismo e a implantação do paraíso socialista na Terra.

Eu pendia então, muito, para Marina Silva. Como quadro político ela é a candidatura que mais me sensibiliza como eleitor. Suas propostas são muito interessantes (investimento pesado em educação para levar o Brasil rumo a uma economia do conhecimento, desenvolvimento sustentável, melhoria das cidades, superação da dicotomia PT-PSDB, etc.), mas o partido pelo qual se lançou é uma nhaca. Pequeno, fraco, e sem consistência programática nenhuma, o PV é capaz de apresentar por exemplo um candidato com propostas interessantíssimas na majoritária (como foi o Maurício Furtado que votei para prefeito de Curitiba em 2008) e péssimas figuras na proporcional – fazendo um eleitor como eu se sentir idiota ao dar um voto de legenda pro partido e ver na Câmara Municipal caras como Roberto Accioli e Prof. Galdino (o Aladin pelo menos foi um grande jogador do Coritiba em seus tempos áureos). Além disso o Salamuni – candidato a governador do Paraná pelo partido – não apresenta nenhuma proposta, só aparece na propaganda de TV segurando a mão de Marina e gritando: “viva o PV”, “e que Deus nos abençoe”.

Só essas considerações já me seriam suficientes para decidir o voto em Dilma. Tudo que eu sempre soube sobre ela foi que era uma ótima gestora pública (em grande parte responsável pelo que houve de eficiência do Estado na era Lula). Minha maior restrição à sua candidatura era e é o fato de que nunca foi uma candidata construída pelo partido – foi indicação pessoal de Lula, e uma violência contra a democracia interna do PT, que sempre foi o único partido que tem isso no Brasil.

Não preciso ficar aqui falando as qualidades do governo Lula e da candidata Dilma. Primeiro porque sobre os motivos para votar em Dilma niguém será capaz de escrever um melhor do que o Celso Barros (vulgo NPTO) fez pro Amálgama.

A explicação porque vou votar em Dilma, entretanto, não se dá no plano das escolhas racionais, nem do cálculo político. Se dá no plano dos significados que se estabelecem para os cidadãos certas posturas dos governantes, como explica com exatidão o historiador Paul Veyne, num texto que o Ricardo colocou no Ágora com Dazibao no meio. Ou seja, não escolho presidente exatamente pelo programa de governo ou pelas competências políticas do sujeito. Meu voto é antes de tudo uma questão de identidade política pessoal, e, principalmente, de afirmação simbólica dessa identidade . E é por isso que meu voto nunca é secreto.

Em 2002 eu achava que o PT devia ter lançado um candidato que não fosse o Lula, porque ele não era o melhor quadro do partido. Preferia o Tarso Genro ou o Cristóvam Buarque, ou até o Suplicy. Como seria de se esperar, Lula ganhou as prévias. Mas eu não gostava dessa coisa que animava a maioria dos petistas, de que o “Lula lá” seria a panacéia. Cogitei votar no Serra, coisa que foi completamente por terra com o episódio Regina “estou com medo” Duarte, entre outras coisas.

Em 2006 meu candidato ideal era o Cristóvam Buarque (agora no PDT). Votaria em Lula no segundo turno, provavelmente. Votei nele no primeiro turno mesmo, depois daquela história ridícula de tentar colar no PT a pecha de pai da corrupção. Pesou bastante o fato de ter recebido um e-mail de um amigo intitulado “neste natal, não dê panetone ao porteiro”, que esbanjava preconceito de classe contra o eleitorado de Lula (além daquele adesivo escroto que virou moda em Curitiba antes de ser proibido pela Justiça, que tinha uma mão sem o dedo mínimo, com a tarja de proibido).

Este fator volta a se repertir muito forte agora em 2010. As histórias de quebra de sigilo e o caso Erenice, além das tradicionais capas da Veja (sempre bem descontruídas pela análise profunda e irônica do NPTO), já me indispõem pra caramba com essa história de o PT ser a personificação do mal. Mas o que pegou pra valer dessa vez foi o monte de Spam que recebi dizendo que a Dilma é o demônio em pessoa. A pior de todas foi a que recebi de vários amigos evangélicos, indicando um vídeo de um pastor batista dizendo pros fiéis não votarem no PT. Eu não concordo nada com o que o pastor diz no vídeo, e acho que ele é um pastor de araque, como explicitei em dois textos, um aqui no blog e outro no Amálgama. Mas pior do que a opinião do pastor foi os meus amigos me mandarem os e-mails presumindo que se eu visse o vídeo eu concordaria que, como cristão, não posso votar no PT.

Respondi pruma amiga que não concordava com as teses do pastor, e ela me veio com essa: “é só ler a Bíblia”. Tamanha presunção e autoritarismo é que me dão a convicção de que vou com Dilma, senão a melhor candidatura que posso escolher, sem dúvida e melhor candidata que existe para eu me identificar politicamente neste exato momento.

Author: andreegg

Músico, historiador, professor.

29 Comments

  1. André, gosto dos seus comentários equilibrados, embora nem sempre concorde com eles. :)

    Um ponto que você tocou, eu defendia para a eleição atual:

    Em 2002 eu achava que o PT devia ter lançado um candidato que não fosse o Lula, porque ele não era o melhor quadro do partido. Preferia o Tarso Genro ou o Cristóvam Buarque, ou até o Suplicy.

    Tarso Genro foi prefeito de Porto Alegre duas vezes, candidato ao governo do RS, ministro da Educação e da Justiça com êxitos. É alguém melhor preparado do que Dilma Rousseff para ser presidente da República.

    Talvez não vencesse a eleição porque Dilma – nesse ponto eu concordo com Serra – foi construída para ser presidente do Brasil. Porém, tenho certeza de que Tarso seria um presidente melhor e lutaria por uma reforma significativa na principal fraqueza do Brasil hoje: a educação.

    Também não costumo esconder o meu voto, e, dos candidatos que aí estão, o único que eu vejo disposto a reformar a educação é Marina Silva, por isso ela tem o meu voto.

    Claro que o quadro se desenha para uma vitória de Rousseff. Espero estar enganado e que ela faça um bom governo, principalmente no campo da educação e, quem sabe, da saúde – que, pelo menos nas cidades onde morei, piorou muito no governo Lula.

    • @Willian,

      ao contrário de Lula em 2002, Dilma tem muita experiência administrativa, ou de governo. Lula tinha muita experiência de negociação política, como líder sindical e de partido. Mas como administrador público nada.

      Dilma tem mais experiência que o Tarso, sem dúvida. Ela foi a gerente do governo na Casa Civil, e fez um ótimo trabalho. Se o governo dela vai ser bom ou não depende mais de quanta autonomia ela vai conseguir para governar – Lula esteve muito preso a um congresso de baixíssimo nível, e sofreu oposição cerrada de uma imprensa ridícula de ruim. Se o PT eleger mais deputados, Dilma poderá fazer um governo mais reformista e menos conservador.

      Já Marina não teria a mínima chance – O PV tem esperança de eleger 30 deputados. Faz idéia de como dá pra governar com 6% do congresso?

  2. De fato o Serra está pedindo encarecidamente para ninguém votar nele. Principalmente com essa aliança ridícula que insiste em manter com o PFL/DEM com essa chapa zé serra presidente e joão ninguém vice!
    Depois, toda essa babaquice de quebra de sigilo – que não colou – e agora de Erenece, preconceito e etc.
    De fato, mesmo quem queria, foi convencido por ele mesmo e suas trapalhadas a não votar em Serra.
    E se ele consegue ser tão mal educado e prepotente quando candidato, imagina se for eleito…

  3. “Mas pior do que a opinião do pastor foi os meus amigos me mandarem os e-mails presumindo que se eu visse o vídeo eu concordaria que, como cristão, não posso votar no PT.” Isso aí é realmente ofensivo.

    Mas eu voto na Marina, apesar de não ter como explicar tão bem quanto vc.

  4. Professor André, gostei de suas colocações, reflexivas e inteligentes, a respeito das opções presidenciáveis. Só não apreciei (nem aprecio) suas abordagens finais quanto ao Paschoal… Podes não concordar com sua visão ministerial e teológica, nem com sua iniciativa de, a sua maneira e dentro de seu contexto religioso, tentar “proteger” seus fiéis e igreja de uma filosofia, a grosso modo, contrária à sua pregação… Tens todo o direito!!! Podes opinar a respeito, assim como ele de argumentar e contra-argumentar, mas não fazendo uso de expressões apelativas e depreciativas como “araque”…

    Não que eu concorde “plenamente” com a ideologia pregada pelo Paschoal, nem a ele faço apologia, mas creio que teus argumentos já fundamentavam sua posição, e não havia necessidade desse final deveras sarcástico, à margem da intolerância… E tudo isso digo não porque “fui um” dos que te repassaram o vídeo, mas pelo equilíbrio que deve existir tanto na argumentação quanto na contra-argumentação de formadores de opinião, como vc e ele o são, em diferentes campos da sociedade!!!

    Desde que me indicaste teu blog, tenho lido suas colocações sobre os diversos assuntos (até sobre o Coxa – hehehe!!!), e continuarei fazendo, porque te admiro e, academicamente, te tenho como um dos meus espelhos… abração!!!

    • Obrigado Andrei,

      blog é um pouco diferente de púlpito e de sala de aula. Aqui a linguagem é mais coloquial, irônica, etc. Mas concordo que peguei pesado com o Piragine. Também tenho meus motivos. Mas é isso aí.

      Abraço,

  5. Amigo,
    Se para votar em uma candidata, vc precisa de se explicar tanto, pra mim já é o suficiente para não dar credibilidade a ela.
    Acredito que o Partido que esta Senhora pertence, já fez muita coisa que não presta com o país, nem vou aqui citar nem apresentar dados, mas se quiser, apresento, porque Graças a Deus, não há no planeta, um só petista capaz de dicutir comigo, mesmo porque, a escolha de votar em tal partido já denota total falta de conhecimento politico.

    Em suma, não voto em Dilma e digo porquê: PORQUE DIGO BASTA A TANTA CORRUPÇÃO! BASTA DE FAZER PORTO EM CUBA COM UM PORTO EM MINHA CIDADE CAINDO AOS PEDAÇOS! O BRASIL NÃO É DA FARC, NÃO É DE CUBA NEM DO PT, O BRASIL PERTENCE AOS BRASILEIROS.

    Um abraço e bom voto! O que duvido que seja.

    • Sim, é verdade. Conhecimento político tem quem vota no Democratas. Eles é que são um partido honesto, porque a corrupção entrou no mundo com o PT. Você se engana. Eu não expliquei tanto. Aliás, estou surpreso que com sua inteligência você tenha conseguido chegar ao fim do texto – ou não? Talvez tenha deduzido o tamanho dele usando só a barra de rolagem…

  6. Só para constar:
    Vc cita o blogueiro Celso Rocha de Barros, que teve por curiosidade, sua carreira estudantil aprofundada de 2002 a 2008, que num artigo com diversas afirmações equivocadas, praticamente coroa o Lula como sendo responsável por algum crescimento econômico, que é bom lembrar, fora mundial.

    Depois atribui a este mesmo sujeito o poder de desconstituir mesmo que irônicamente qualquer prova que exista do caso Erenice. Se esta Sra com sua quadrilha for presa, usará o texto do blogueiro em sua defesa?

    Amigo, você é a mais clara explicação para o nível de nosso ensino!

    Gostaria de pedir-lhe um grande favor: Me digas em que instituilção tu trabalhas?

    Preciso saber, sou pai, e quero saber extamente onde meus filhos estudarão!

    Com todo respeito, se tivesse dito, voto na Dilma por que sou afiliado ao PT e espero uma oportunidade, eu teria dado a seu texto alguma credibilidade.

    Desculpe quanto a erros no texto, mas estudei no Brasil, meus professores eram aqueles que hoje são Secretários, Ministros, Deputados, etc.. Na época todos chinelinhos de couro com adesivos Lula LÁ no peito. Hoje entendo exatamente o porquê! Lutavam por dignidade! Deles né?

    Não caio mais nas mentiras do PT.

    OBS: Nunca votei em partidos de esquerda, portanto não voto no PSDB. Já que adoram criticar esse partido para defender qualquer posição. Uma necessidade maniqueísta que rende tantos votos.

    • Como sabemos todos, o mundo está vivendo um ciclo virtuoso de crescimento. Não há crise em lugar nenhum, e o Brasil não está crescendo nada. O governo portanto é muito ruim mesmo. Como pensam você e mais uns 3% do país.

      • @andreegg,

        Você está muito bem “informado”. Você disse que não ha crise em lugar nenhum. Que está havendo um processo de crescimento no mundo inteiro e que o Brasil não cresce nada. Há crise em vários países. Os países europeus ainda não conseguiram se recuperar ou pouco crescimento que estavem tendo antes de estoura a crise que irrompeu na américa do Norte. Os Estado Unidos da América do Norte está com mais de 50 milhões de pessoas passando por muita dificuldade e em extrema pobre (Barac está precisando de umas lições de Lula sobre combate a fome e a pobreza), os Países com maior índice de crescimento hoje são China, Índia e Brasil. O reste está em situação penosa. Estude um pouco mais prá não ficar pagando mico, fazendo papel de bobo.

        • @Adauto Gonçalves dos Santos,

          você sabe ler mesmo?

          Olhe de novo o comentário do Dárcio lá em cima, e veja que ele diz que o artigo do Celso Barros é ruim por dar crédito a Lula pelo crescimento do Brasil quando seria mundial.

          Obviamente, meu comentário é irônico com a asneira que ele falou. Pensei que qualquer pessoa pegaria, mas você deve estar meio abaixo da média…

  7. Nooossaaa!!! Que comentário inteligente o seu André, em resposta ao Dárcio! Realmente voce tem e deve votar na Dilma mesmo porque com todo o teu respeito pela opinião alheia, duvidando da inteligência do colega por discordar de você e de tanta roubalheira de um governo mais hipócrita e corrupto que todos nós já tivemos a desonra de ver, vai fundo com a Dilma!!! Talvez quando ela estiver no poder você possa representá-la quando a mesma precisar dar um pulinho nos EUA, porque lá CRIMINOSO NÃO ENTRA!!!

    • Respeito a opinião alheia, inclusive a burrice alheia. É um direito seu.

      Governo mais hipócrita e corrupto que já vimos? Não vou nem comentar – você vive em outro planeta. Deve ser que só lê a Veja…

  8. Adorei teu texto, está bem feito, a argumentação bem concatenada e bem fundamentada. Mas não considero o Piragine um pastor de araque. Ele é um Pastor fundamentalista, mas um fundamentalista covarde, que age como certas pessoas sectárias que só sabem dizer que é conta, e quem agem assim, ou é incapaz de dizer do que é a favor ou não tem coragem de fazê-lo. Mas o mais grave é que ele mente sobre Dilma, persegue e prejudica irmãos batistas que são detentores de mandato parlamentar pelo PT, pedindo que não votem em ninguém filiado ao PT. Mente sobre a Dilma por que não apresentou nenhuma prova de que a Dilma seja a favor do aborto. Ele não mostrou nenhuma gravação e nada mesmo que possa prova o que diz. Nós sabemos que o regime da ditadura cubana tinha leis que punia homossexuais com prisão e campos de trabalho forçado, isso durou até 1990. Mas há vários paíse que punem com pena de morte. Qual é a proposta desse pastor sobre esse tema. O debate está colocado e ele sabe dizer que é contra?
    Esse pastor é muito elitista. Ele deve está chateado, zangado do o Lula, por causa da política de inclusão social. Ele não deve gostar nenhum pouco de ver pessoas oriundas da classe humilde pode hoje ter acesso à Universidade, a viver melhor. Ele está com saudade dos tempos em que o Brasil era uma Nação apagada, povo sem perspectiva e até sem esperança. Enfim ninguém deve dar atenção a um pastor que não demonstra capacidade mínima de debater as grandes questões sociais e apresentar sua contribuição.

  9. Olá André !!!

    Em primeiro lugar parabéns !!!! Admiro sua coragem de expor suas opiniões, e responder aos comentários na mesma moeda e sem rodeios !!!

    Tenho berço evangélico, neto de pastor da Assembléia de Deus, e (pasme) meu avô era do velho e bom PCB… portanto foi disciplinado pela Igreja. Na época ele não entendia como os udenistas (maioria na Igreja) não entendiam como a postura igualitária que ele defendia não era aceita, para ele Cristo foi à cruz justamente por defender idéias assim.

    Bem, não entrando muito no mérito pessoal. Gostaria de dizer que uma das lições que aprendí com meu avô, é que o Fundamentalismo defendido e praticado por muitos pastores já na época (cerca de 30 anos atrás), era motivo para escandalizar a obra que ele considera Cristã.

    Portanto venho de público manifestar-me solidário com seus comentários e dizer aos Cristãos que visitam seu blog, tenham certos cuidados com as posturas fundamentalistas, que deixam as pessoas facilmente manipuláveis por uma “fé” sem questionamentos conscientes.

    Até !!!!!

    • Lausivan,

      muito obrigado. Essa história é muito interessante, pois muita gente insiste, sem qualquer tipo de justificativa aceitável, que não é possível ser de esquerda quando se é cristão. Quando leio o Novo Testamento não consigo ver isso. Cristo hoje estaria mais confortável no PCB que em qualquer igreja…

  10. Carta abaixo expressa a opinião da Igreja Batista do Brasil, por sinal opinião de uma Igreja que respeita a democracia e não permite ser manipulada nem comprada.

    CARTA NA INTEGRA…
    Publicada em http://www.aliancadebatistas.com.br/page/modules/smartsection/item.php?itemid=28

    Em nome da liberdade e da pluralidade batistas, portanto, a Aliança de Batistas do Brasil torna pública sua repulsa a toda estratégia político-religiosa de “demonização do Partido dos Trabalhadores do Brasil” (doravante PT). Nesse sentido, a intenção do presente documento é deixar claro à sociedade brasileira duas coisas: (1) mostrar que tais discursos de demonização do PT não representam o que se poderia conceber como o pensamento dos batistas brasileiros, mas somente um posicionamento muito pontual e situado; (2) e tornar notório que, como batistas brasileiros, as ideias aqui defendidas são tão batistas quanto as que estão sendo relativizadas.

    1. A Aliança de Batistas do Brasil é uma entidade ecumênica e dedicada, entre outras tarefas, ao diálogo constante com irmãos e irmãs de outras tradições cristãs e religiosas. Compreendemos que tal posicionamento não fere nossa identidade. Do contrário, reafirma-a enquanto membro do Corpo de Cristo, misteriosamente Uno e Diverso. Assim, consideramos vergonhoso que pastores e igrejas batistas histórica e tradicionalmente anticatólicos, além de serem caracterizados por práticas proselitistas frente a irmãos e irmãs de outras tradições religiosas de nosso país, professem no presente momento a participação em coalizões religiosas de composição profundamente suspeita do ponto de vista moral, cujos fins dizem respeito ao destino político do Brasil. Vigoraria aí o princípio apontado por Rubem Alves (1987, p. 27-28) de que “em tempos difíceis os inimigos fazem as pazes”? Com o exposto, desejamos fazer notória a separação entre os interesses ideológicos de tais coalizões e os valores radicados no Evangelho. Por não representarem a prática cotidiana de grande fração de pastores e igrejas batistas brasileiras, tais coalizões deixam claro sua intenção e seu fundo ideológico, porém, bem pouco evangélico. Logrado o êxito buscado, as igrejas e os pastores batistas comprometidos com as coalizões “antipetistas” dariam continuidade à prática ecumênica e ao diálogo fraterno com a Igreja Católica, assim como com as demais denominações evangélicas e tradições religiosas brasileiras? Ou logrado o êxito perseguido, tais igrejas e pastores retornariam à postura de gueto e proselitismo que lhes marcam histórica e tradicionalmente?

    2. Como entidade preocupada e atuante em face da injustiça social que campeia em nosso país desde seu “descobrimento”, a Aliança de Batistas do Brasil sente-se na obrigação de contradizer o discurso que atribui ao PT a emergente “legalização da iniquidade”. Consideramos muito estranho que discursos como esse tenham aparecido somente agora, 30 anos depois de posicionamentos silenciosos e marcados por uma profunda e vergonhosa omissão diante da opressão e da violência a liberdades civis, sobretudo durante a ditadura militar (1964-1985). Estranhamos ainda que tais discursos se irmanem com grupos e figuras do universo político-evangélico maculadas pelo dinheiro na cueca em Brasília, além da fatídica oração ao “Senhor” (Mamon?). Estranhamos ainda que tais discursos não denunciem a fome, o acúmulo de riqueza e de terras no Brasil (cf. Isaías 5,8), a pedofilia no meio católico e entre pastores protestantes, como iniquidades há tempos institucionalizadas entre nós. Estranhamos ainda que tais discursos somente agora notem a possibilidade da legalização da iniquidade nas instituições governamentais, e faça vistas grossas para a fatídica política neoliberal de FHC, além da compra do congresso para aprovar a reeleição. Estranhamos que tais discursos não considerem nossos códigos penal e tributário como iniquidades institucionalizadas. Os exemplos de como a iniquidade está radicalmente institucionalizada entre nós são tantos que seriam extenuantes. Certamente para quem se domesticou a ver nas injustiças sociais de nosso Brasil um fato “natural”, ou mesmo como a “vontade de Deus”, nada do mencionado antes parece ser iníquo. Infelizmente!
    Está ficando cada vez mais claro que os pregadores que anunciam dos seus púpitos o início de uma suposta amplitude do mal, numa continuidade do PT no Executivo Federal, são os que estão com saudade do Brasil ajoelhado diante do capital estrangeiro, produzindo e gerenciando miséria, matando trabalhadores rurais, favorecendo os latifundiários, tratando aposentados como vagabundos, humilhando os desempregados e propondo o fim da história.
    Enfim, a Aliança de Batistas do Brasil vem a público levantar o seu protesto contra o processo apelatório e discriminador que nos últimos dias tem associado o Partido dos Trabalhadores às forças da iniquidade. Lamentamos, sobretudo, a participação de líderes e igrejas cristãs nesses discursos e atitudes que lembram muito a preparação das fogueiras da inquisição.

    Maceió, 10 de setembro de 2010.

    Pastora Odja Barros Santos – Presidente
    Pastores/as batistas membros da Aliança
    Pr. Joel Zeferino _ Igreja Batista Nazaré – Salvador (BA)
    Pr. Wellington Santos – Igreja Batista do Pinheiro – Maceió (AL)
    Pr. Paulo César – Igreja Batista Bultrins – Olinda (PE)
    Pr. Paulo Nascimento – Igreja Batista da Forene – Maceió (AL)
    Pr. Reginaldo José da Silva – Igreja Batista da Cidade Evangélica dos Órfãos – Bonança (PE)
    Pr. Waldir Martins Barbosa – Igreja Batista Esperança – Salvador (BA)
    Pr. Silvan dos Santos – Igreja Batista Pinheiros – São Lourenço da Mata (PE)
    Pr. Marcos Monteiro – Comunidade de Jesus – Feira de Santana (BA)
    Pr. João Carlos Silva de Araujo – Primeira Igreja Batista do Recreio – Rio de Janeiro (RJ)
    Pra. Marinilza dos Santos – Igreja Batista Pinheiros – São Lourenço da Mata (PE)
    Pr. Adriano Trajano – Chã Preta (AL)
    Pr. Pedro Virgilio da Silva Filho – Serrinha (BA)
    Pr. Gilmar de Araújo Duarte – Primeira Igreja Batista de Brás de Pina – Rio de Janeiro (RJ)
    Pr. Alessandro Rodrigues Rocha – Segunda Igreaja Batista de Petrópolis – Petrópolis (RJ)
    Pr. Nilo Tavares Silva – Igreja Batista em Praça do Carmo – Rio de Janeiro (RJ)
    Pr. Luis Nascimento – Princeton (New Jersey) – EUA
    Pr. Raimundo Barreto – Falls Church (Virginia) – EUA

  11. “Mas pior do que a opinião do pastor foi os meus amigos me mandarem os e-mails presumindo que se eu visse o vídeo eu concordaria que, como cristão, não posso votar no PT”

    Me senti exatamente assim.
    Eu estava em dúvida se votava em dilma ou na marina.
    Depois de tanto SPAM, não tive mais.

    DILMA 13

  12. Vamos votar no PT para o Brasil afundar de vez, vamos…. Porém depois vamos colher os frutos de tanta iniquidade. Quem deveria sofrer a consequência são os que apoiaram uma candidata como essa, mas infelizmente não é assim que funciona.

  13. André,

    As pessoas inteligentes não são obrigadas a pensar como você!
    Todos merecem respeito e lamento seus adjetivos referindo-se
    ao Pr. Paschoal.
    Marta Egg

  14. Hã????

  15. A vida é assim mesmo. Infelizmente a percentagem de pessoas inteligentes é pequena. Por isso a maioria é a favor da
    Sra. Dilma

  16. André, não detectei no trecho sobre o caso Erenice qualquer argumentação no sentido de embasar sua opinião. Você acredita que o episódio é invenção da Folha e da Veja? Ou que, verdade ou não, o episódio não tem importância? Ou acredita que Dilma não tem responsabilidade nem conexão com o que se passou?

    • Ainda não entendi bem o caso.

      Me refiro mais às acusações de quebra de sigilo, que são mentirosas, às acusações da Veja de que o PT “aparelha” o Estado, às acusações por e-mail que dizem que Dilma mata criancinhas. Essas coisas.

      O caso Erenice teve episódios muito suspeitos a respeito do empresário que fez a denúncia. De qualquer forma – se ela está envolvida, foi correta sua demissão, e as investigações devem caminhar.

      Responsabilidade por responsabilidade, Serra também é cheio de esqueletos no armário. Talvez Marina não.

      O mais importante são os projetos de Brasil que estão concorrendo. Corrupção existe e deve ser combatida pelos meios competentes para tal. O PSDB não é um partido menos corrupto, pelo contrário…

  17. É engraçado como as pesssoas agridem as outras por não concordarem com suas opiniões.
    Falam do PT e vão votar no PSDB um partido cheio de exemplos de corrupção e coligado com o DEM.

    Por isso eu voto Dilma!!!

  18. Infelizmente há os faltos de entendimento no meio cristão… faz o quê?!